ESCOZUL - CANCER

   
 
ESCOZUL proveedor LABIOFAM

Provedores de ESCOZUL : Projeto ESCOZUL


Quem são - Esão um grupo de instituições científicas cubanas de grande prestígio nacional e internacional, que se juntaram num projeto nacional inscrito no Ministério de Saúde Pública de Cuba sob o nome Projeto Ramal ESCOZUL. As mesmas são:

1. Instituto Nacional de Oncología y Radiología. (INOR)
2. Instituto de Medicina Tropical ¨Pedro Kouri¨ (IPK)
3. Laboratórios Biológicos e Farmacêuticos (LABIOFAM)
4. Faculdade de Biologia da Universidade de Havana
5. Ministério de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente (CITMA)
6. Ministério de Saúde Pública de Cuba (MINSAP)


Como trabalha.-Essas instituições do governo cubano trabalham coordenadamente, baseadas na interação de equipes multidisciplinares. Os grupos de trabalho estão integrados por profissionais qualificados para desenvolver tanto as investigações quanto a produção do ESCOZUL..

Capacidade do grupo.

O grupo está conformado por profissionais de distintos ramais científicos tais como Medicina, Biologia, Bioquímica, que são fundamentais para o desenvolvimento do projeto. Também participa pessoal científico e técnico especializado na produção do medicamento. Existe um grupo médico que trabalha há vários anos na aplicação do ESCOZUL em pacientes com câncer e está altamente capacitado para orientar, assessorar e monitorar aos pacientes que se decidem a utilizar o ESCOZUL.


Métodos de trabalho.

Uma pesquisa como a que vem sendo desenvolvida nesses laboratórios requer da interrelação de muitas disciplinas. Segundo apresentado pelo Dr. Jorge Luis Maestre, chefe do grupo de investigação dos laboratórios cubanos, no I Simpósio de Toxinologia acontecido em Guantánamo em dezembro de 2005, o objetivo primário do trabalho foi demonstrar a atividade antiproliferativa in vitro do veneno do escorpião azul. Um segundo objetivo foi demonstrar que o veneno não possui atividade tóxica pela via oral, nem mesmo quando usado em altas concentrações. Também foram avaliadas suas propriedades analgésicas e antiinflamatórias com resultados positivos (consultar resultados da investigação sobre o ESCOZUL ). Num segundo momento foram avaliados os efeitos do ESCOZUL em ratos padecendo diferentes tipos de câncer e foram feitas pesquisas para esclarecer os mecanismos de ação do ESCOZUL. O terceiro passo foi o desenvolvimento de estudos clínicos em pacientes humanos com distintos tipos de câncer e em distintos estágios da doença. Atualmente a pesquisa está direcionada ao isolamento das proteínas do veneno do escorpião azul, visando sua produção a nível industrial.

Por outra parte tem sido desenvolvidos estudos ecológicos fazendo ênfase na criação dos escorpiões em cativeiro e o manejo sustentável das populações naturais. Os laboratórios cubanos têm numerosos criadouros de escorpiões azuis espalhados pela ilha de Cuba, nos quais são garantidas as condições adequadas para que a qualidade e a quantidade do veneno a extrair sejam ótimas.

O protocolo de atendimento a pacientes foi iniciado na década de 90, quando se começou a recepção de resumos médicos, e foram confeccionados os historias clínicos tradicionais, atualmente arquivados nos centros de atendimento médico. Para cada paciente existe um formulário médico onde se anota periodicamente o tipo de tratamento convencional que o paciente está fazendo, os sintomas do paciente antes de começar o tratamento com ESCOZUL e os sintomas do paciente depois de um tempo de tratamento com ESCOZUL. Isso permite monitorara a evolução do paciente durante o tratamento e reunir evidências da sua eficácia.

A metodologia de produção dos laboratórios cubanos tem sido legalizada e validada pelos centros cubanos de controle sanitário. O veneno é obtido a partir de populações de escorpiões em cativeiro, através de estimulação elétrica da cauda. Para cada escorpião são obtidas pequenas quantidades de veneno. Estima-se que o tempo de vida de um escorpião em cativeiro é aproximadamente seis meses.

Os laboratórios cubanos ministram o medicamento por um tempo mínimo de três meses. O tempo de caducidade do ESCOZUL é de aproximadamente 10 dias quando não conservado a temperaturas baixas e estáveis. Quando congelado o veneno pode durar até 14 meses, passado esse tempo começa a perder suas propriedades. .

A concentração e dosagem do medicamento são indicadas pelo grupo médico em função do tipo de câncer e do estágio da doença em que se encontre o paciente. Em pacientes que estão nas etapas 1 e 2, recomenda-se uma concentração de 0,0023 mg/ml em doses que podem ser de entre 20 e 100 ml diários. Nos pacientes em estágios 3 e 4 ou considerados terminais, recomenda-se começar o tratamento com concentrações de até 0,080 mg/ml, as quais podem ir aumentando no decorrer do tratamento, até atingir a concentração idônea para combater a doença. Nesses casos a dosagem indicada pode ser de 100 ml a 1 litro diário, ou até mais.

O tratamento deverá ser utilizado durante um tempo mínimo de três meses a um ano. O tempo de utilização poderá ser maior dependendo do estado de saúde do paciente e de como reaja ao medicamento.

Resultados científicos.

Os resultados científicos dos laboratórios centram-se em demonstrar as propriedades antitumorais do veneno do escorpião azul, assim como suas propriedades analgésicas e antiinflamatórias. Esses resultados têm sido apresentados em diferentes eventos como resultados preliminares.

Seus objetivos. -Cada instituição envolvida no projeto tem objetivos diferentes.

O INOR tem desenvolvido pesquisas sobre a aplicação de altas concentrações do medicamento em pacientes nos estágios 3 e 4, ou terminais. Eles estabelecem um protocolo de análise da condição do paciente e ministram o medicamento na concentração e dosagem adequada o estágio da doença.

Até pouco tempo atrás, LABIOFAM produzia o medicamento concentrado o qual era distribuído de forma gratuita a qualquer pessoa que chegasse aos laboratórios. Na atualidade, a demanda do medicamento é tão alta, que o laboratório tem optado pela produção de uma versão homeopática do ESCOZUL, esperando obter resultados similares aos registrados com o uso do medicamento concentrado. Desafortunadamente os pacientes tratados com o produto homeopático, de forma geral não têm obtido resultados positivos, especialmente aqueles pacientes em estágios avançados da doença.

No IPK se trabalha no isolamento das proteínas do veneno do escorpião que têm ação terapêutica e a Faculdade de Biologia desenvolve estudos sobre a ecologia das populações desse escorpião.